O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

ATÉ AO ÚLTIMO DOS PALESTINIANOS…

2019-05-14

José Goulão

O que está em curso há mais de setenta anos contra o povo palestiniano é um genocídio. Bárbaro. Impune. Ignorado. Branqueado por uma “comunidade internacional” que repudia o próprio direito pelo qual deveria guiar-se; e por uma comunicação social vesga e totalitária que tomou conscientemente o partido dos genocidas, pelo que chega ao comportamento perverso de acusar as vítimas de práticas terroristas.

Os acontecimentos sucedem-se e atropelam-se em contínuo, muitos denunciados pelas próprias vítimas ou por aqueles que, desafiando as altas probabilidades de virem a ser acusados de antissemitismo ou de serem autores de execráveis delitos de opinião, não calam os crimes tornados banais e, sempre que possível, silenciados ou mistificados pelo sistema de censura mainstream.

Há um sentido único na barbárie desde que, há 71 anos, foi proclamado o Estado de Israel como fruto de imigração em massa de populações oriundas de vários países, sobretudo da Europa e da América do Norte; muitas fugidas de um outro genocídio, o Holocausto, a generalidade invocando preceitos e direitos de índole antropológica, histórica e religiosa que não cabem na teia de normas e leis pelas quais seria suposto regerem-se os Estados, as nações e os povos.

Um genocídio – o Holocausto – acabou por servir de pretexto a outro – a Nakba, a “catástrofe”, em árabe – por via dos que, invocando as vítimas do primeiro, se transformaram em algozes do segundo. Uma mistificação gigantesca de consequências arrasadores para os direitos humanos, com a particularidade perversa de se consumar em nome dos direitos humanos, da democracia, da liberdade e da civilização.

Cadeia de mistificações

A relação de causa e efeito entre o Holocausto e a Nakba não era automática, mas o primeiro ministro de Israel em funções, Benjamin Netanyahu, acabou por estabelecê-la, tornando-a oficial para os escritores da História na perspectiva dos vencedores. Foi ele quem afirmou que Hitler originalmente não defendia a “solução final” para os judeus, apenas queria expulsá-los; mas foi convencido a consumá-la pelo Grande Mufti de Jerusalém, a autoridade religiosa da comunidade muçulmana da Palestina. Moral da história: os palestinianos muçulmanos incentivaram a matança dos judeus pelo que é justo serem castigados.

O genocídio do povo palestiniano é praticado ao compasso de mistificações em cadeia aliando a política, a diplomacia, as próprias história e geografia num discurso de propaganda como que hipnotizando a chamada “comunidade internacional”. A qual, com uma espécie de consciência de culpa do Holocausto, permite que esta tragédia seja manipulada com múltiplos objectivos coloniais, mesmo os mais perversos e desumanos.

A operação de genocídio é sistemática e decorre de maneira impune.

Desde a mistificação em que assenta o sionismo, “um povo sem terra para uma terra sem povo” – a Palestina, uma entidade com uma história longa e rica de quatro mil anos - que a limpeza étnica dos palestinianos é executada em contínuo por duas vias: em vagas, criando ou aproveitando oportunidades históricas; e passo-a-passo, dia-a-dia, através de uma teia elaborada de pretextos e medidas arbitrárias travestidas de leis que o sionismo internacional e o seu ramo que gere o Estado de Israel puseram em funcionamento à margem e contra o direito internacional.

A primeira vaga aconteceu há 71 anos, quando as organizações terroristas das comunidades imigrantes derrotaram os exércitos árabes na Palestina e proclamaram o Estado de Israel. Mais de 700 mil palestinianos foram chacinados e expulsos de Israel, enquanto as suas comunidades funcionando em aldeias, vilas e cidades foram arrasadas, apagadas do mapa. Este massacre é assinalado como o início da Nakba.

Colonização igual a anexação

Com essa ofensiva terrorista, os dirigentes sionistas impuseram a primeira grande derrota às Nações Unidas na questão da Palestina, sabotando desde logo o “plano de partilha” de 1947, que previa a divisão do território em duas áreas étnicas – de maioria hebraica e de maioria árabe – passando Israel a ocupar uma superfície da Palestina bastante superior à prevista no documento da ONU.

Na sequência da guerra de 1967, ou dos “Seis Dias”, Israel expulsou as administrações egípcia e jordana de Gaza, da Margem Ocidental do Jordão e de Jerusalém Leste, ocupando esses territórios; a própria guerra e as pressões terroristas provocaram um novo êxodo de populações palestinianas para os países vizinhos.

Israel deu então verdadeiramente início a um novo processo de anexação de territórios e de limpeza étnica sistemática, o da construção de colónias nos territórios ocupados. Com ela incentivou novas vagas de imigração hebraica, nas quais as correntes ortodoxas e fundamentalistas religiosas foram dominantes. As consequências da estratégia são cada vez mais visíveis nos dias de hoje pela maneira como essas correntes dominam a gestão sionista em Israel – não hesitando, sequer, em assumir constitucionalmente um regime de apartheid étnico e religioso.

A colonização, conjugada com o carácter militar e terrorista da ocupação e com os meios de segregação físicos – o muro de Jerusalém e da Cisjordânia e a cerca de Gaza – está na origem de uma balcanização dos territórios ocupados e do êxodo constante de palestinianos. Expulsões, prisões, tortura, destruição de casas de habitação, check points militares e outros entraves à circulação, devastação de colheitas e propriedades agrícolas, confisco arbitrário de recursos hídricos são formas comuns de terrorismo quotidiano que tornam praticamente inviável uma vida digna e com um mínimo de qualidade.

A transformação do Processo de Paz iniciado com as negociações de Oslo de 1993 num “processo de paz” eterno e de imposição da rendição da principal força nacionalista da resistência palestiniana, a Fatah, tornou ainda mais débil e menos organizada a oposição dos palestinianos à limpeza étnica.

A partilha das funções administrativas da chamada “autonomia” palestiniana entre a Fatah e o Hamas, grupo que tem na sua génese histórica o veneno do patrocínio israelita para dividir os movimentos de resistência cívica (Intifadas), foi um golpe profundo assestado pelo sionismo em comunhão com o establishment norte-americano e beneficiando da cumplicidade da chamada “comunidade internacional” – neste caso actuando como um todo através de uma entidade farsante, o “Quarteto para a Paz no Médio Oriente”, nova e flagrante derrota das Nações Unidas.

A punição dos refugiados

A limpeza étnica da Palestina não se resume à substituição da população autóctone por contingentes imigrados. Tem uma componente menos abordada e que reforça a oposição ao retorno dos refugiados, um direito estabelecido nas normas da ONU: devastar comunidades de palestinianos nos países vizinhos. Não se trata de eliminá-las pura e simplesmente, mas de manter sobre elas a pressão terrorista e de instilar a convicção de que o regresso será impossível, por isso mais vale desistir e deixarem-se assimilar pelos países de acolhimento – tornando eternos os campos de refugiados.

As invasões israelitas do Líbano desde o início dos anos oitenta do século passado visaram permanentemente as zonas habitadas por palestinianos – e dessa sanha ficou como símbolo o massacre de civis, sobretudo idosos e crianças, nos campos de refugiados de Sabra e Chatila, nos subúrbios de Beirute, em Setembro de 1982.

O novo modelo colonial instaurado pelos Estados Unidos no Médio Oriente, através das guerras iniciadas por George W. Bush, contém perseguições organizadas e chacinas em zonas de refugiados palestinianos tanto no Iraque como na Síria. Trata-se de acções cometidas por interpostas entidades, grupos terroristas como o Estado Islâmico e a al-Qaida, apesar de serem “sunitas” como a maioria originária da Palestina. Já deixou de ser novidade a cooperação existente entre Israel e grupos terroristas islâmicos, sobretudo na guerra da Síria, pelo que é óbvia a definição do palestiniano como um inimigo comum.

Ao reforço das correntes fundamentalistas religiosas e segregacionistas na gestão do sionismo correspondem passos ainda mais largos para a consumação do genocídio, da limpeza étnica da Palestina.

Anexação da Cisjordânia

Assim que Benjamin Netanyahu concluir a formação de um novo/velho governo não hesitará em iniciar a anexação progressiva da Cisjordânia, através da integração dos colonatos na estrutura administrativa de Israel. O reconhecimento pela administração Trump da anexação de Jerusalém Leste por Israel foi um balão de ensaio bem sucedido, uma tomada de pulso à “comunidade internacional” que, como é norma, permitiu que se atropelasse mais uma vez o direito internacional. Nem o eng. António Guterres acreditará na sua frase feita para a ocasião, segundo a qual “nada muda” no estatuto oficial de Jerusalém; como no dos Montes Golã; como dos colonatos a anexar. É a velha política dos factos consumados a funcionar, como tem acontecido ao longo da limpeza étnica da Palestina.

O crime vai-se consumando. Dos cerca de oito milhões de palestinianos recenseados são menos de três milhões os que vivem na Palestina: dois milhões no imenso campo de concentração a céu aberto em Gaza; cerca de 800 mil em guetos e sob ocupação na Cisjordânia, incluindo os que vivem na zona de “autonomia” formal.

Os instrumentos de genocídio estão afiados, articulados e operacionais como nunca: anexação, colonização, guerra, terrorismo, segregação e isolamento, fome e sede, supressão de direitos, tortura, prisões e campos de concentração – 50 mil crianças presas por Israel desde 1967 – assassínios organizados e aleatórios, devastações de campos de refugiados.

A chamada “comunidade internacional” parece disposta a continuar a assistir à Nakba até à extinção do último palestiniano, triunfo supremo do terrorismo militar, político, diplomático e mediático.


Mais notícias...

Iniciar sessão

Recuperar password

goto top