O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

NETANYAHU ILIBOU HITLER DO HOLOCAUSTO

A reunião entre Hitler e o Grande Mufti de Jerusalém na qual se baseia a tentativa de Netanyahu de ilibar o führer do Holocausto - German Federal Archives/Wilkimedia Commons

2018-11-22

José Goulão
O assunto tem pelo menos três anos mas, além de não perder actualidade e de não ter sido abordado com o destaque que o escândalo merece, ajuda-nos a enquadrar de maneira mais esclarecedora o comportamento do Estado de Israel e dos seus dirigentes, neste caso através da sua veia exterminadora, do racismo enraizado e do antissemitismo em relação a outros povos da mesma família.

Em Outubro de 2015, durante uma intervenção de fundo perante o Congresso Mundial Sionista – e na sequência de uma outra do mesmo tipo efectuada ao nível parlamentar, em 2012 - Benjamin Netanyahu declarou o seguinte: “Naquela altura (1941), Hitler não tinha intenção de exterminar os judeus, mas sim de os expulsar”.
Segundo esta versão revisionista da História – prática aliás muito na moda, sobretudo quando o assunto é o nazi-fascismo – o primeiro-ministro israelita reproduz os alegados acontecimentos ocorridos numa reunião entre o chanceler do Reich e Haj Amin al-Hussein, naquela altura o Grande Mufti de Jerusalém. Trata-se de um alto dignitário muçulmano da comunidade dominante sunita que tutela os lugares de culto da sua religião na cidade de Jerusalém, designadamente a mesquita de al-Aqsa, a terceira mais importante referência da fé islâmica.
Durante essa reunião, ainda e sempre segundo a versão divulgada por Netanyahu – reproduzida da informação divulgada pelo diário israelita Haaretz – foi o Mufti quem precipitou os acontecimentos que conduziram ao Holocausto. Explicou o primeiro-ministro israelita que o dignitário religioso árabe não ficou satisfeito com a posição de Hitler e ter-se-á queixado de que “se os expulsar (aos judeus alemães), então eles virão para aqui” (Palestina). Ao que Hitler retorquiu: “Então o que fazer com eles?” E o Mufti terá respondido: “Queime-os!”
Isto é, Netanyahu iliba Hitler da mais horrenda e comprovada matança da História e culpa um alto dirigente árabe, conhecido pela sua veia nacionalista, pelo extermínio dos judeus. O que “legitima” todo qualquer comportamento violento e exterminador que Israel possa ter em relação aos árabes, ontem e hoje.

Falsificação da História

Não poderá dizer-se que a declaração tenha caído como uma bomba. Pelo contrário, terá funcionado como mais um argumento a juntar à bateria usada pela ortodoxia sionista para esmagar os direitos do povo palestiniano e usurpar a sua soberania como nação.
Porém, alguns historiadores e jornalistas israelitas foram pesquisar na História o rasto da grande descoberta do chefe do Likud, uma descoberta que representa um autêntico terramoto em relação a tudo quanto se sabe da Segunda Guerra Mundial e sobre o Holocausto. Assim sendo, segundo a neo-história de Benjamin Netanyahu, Hitler não era tão mau como o pintam; mau era o Mufti de Jerusalém e, como ele, todos os árabes, ou mesmo todos os muçulmanos.
O jornal israelita Times of Israel publicou então um apanhado das conclusões dos investigadores sobre o assunto, e mesmo a acta da reunião entre Hitler e o Grande Mufti de Jerusalém Haj Amin al-Hussein.
E o que apurou? Que nada na acta de transcrição do diálogo corresponde à declaração proferida por Netanyahu sobre as intenções de Hitler. Ou seja, o primeiro ministro de Israel mentiu, pura e simplesmente. Nada de invulgar nele, mas nem sempre com tão elevado grau de gravidade.
A reprodução do encontro salienta a coincidência de opiniões de Hitler e do Mufti quanto aos seus inimigos comuns de estimação: ingleses, comunistas e judeus. Se a Alemanha conseguir apagar a ideia da criação de “um lar nacional judaico” na Palestina, terá dito Hussein, “então os árabes poderão levantar-se da sua letargia momentânea e ganhar nova coragem” para combater ao lado das tropas do Reich.
Hitler explicou que se considerava em plena “batalha entre o Nacional-Socialismo e os judeus”, que ele travava “passo-a-passo” e, por isso, “iria pedir a cada nação europeia para resolver o problema judaico”.
Nada foi falado que envolvesse extermínio, queima ou expulsão de judeus. Ao passo que, pelo contrário, existem provas históricas muito bem documentadas segundo as quais o extermínio dos judeus fora decidido por Hitler seis meses antes da sua reunião com o Grande Mufti.
Na ocasião deste encontro, a Alemanha iniciara a sua “Operação Barbarossa” com o objectivo de liquidar a União Soviética, pelo que Hitler limitou-se a pedir ao seu interlocutor muçulmano que esperasse “até a Alemanha abrir o caminho para o Iraque e o Irão através de Rostov, o que será o princípio do fim do império mundial britânico”.

Sem limites

Alguém que mente da maneira que fez Netanyahu em relação a Hitler está seguro da impunidade do que diz e faz, seja perante quem for. E, por certo, não hesita nos meios a usar para atingir os fins.
A versão negacionista da História difundida pelo primeiro ministro de Israel é crime em várias nações do mundo, designadamente em França, onde aliás Netanyahu é recebido como uma impoluta figura de homem de Estado em cerimónias de paz e contra o terrorismo – “árabe”, é bom de ver. Parece um pormenor, mas não é: diz tudo sobre o modo de inserção de Israel na chamada comunidade internacional, o qual abre amplos caminhos para a irresponsabilidade permitida, a falta de limites compreendida, a violência exterminadora tolerada, a marginalidade em relação às leis autorizada.
É por esses caminhos que Israel avança sob o comando de Netanyahu à frente de uma coligação que representa a essência autêntica do fundamentalismo político-religioso sionista.
Netanyahu incarna, como outros o fariam – não haja ilusões quanto a isso – o carácter fascista, racista e antissemita do actual regime de Israel, afinado ao longo de setenta anos através dos aparelhos militar, estatal, religioso e de propaganda. De tal maneira que, segundo uma sondagem recente, três quartos dos israelitas judeus residentes na Palestina histórica apoiam o ex-ministro extremista Avigdor Lieberman na sua tese de que o primeiro- ministro é “fraco” e “medroso” na maneira como lida com a questão de Gaza. E para que tenhamos a noção da gravidade e da profundidade da situação – sublimando quaisquer ilusões – é fulcral registar que nem todos os que fazem parte dessa mole de 75% são, aparentemente, partidários da coligação governamental. Por exemplo, o ex-primeiro ministro e ex-chefe trabalhista Ehud Barak, que alguns ingénuos tenderiam a qualificar como uma “pomba” perante o “falcão” Lieberman, acha o mesmo quanto a Netanyahu e Gaza. Não só Netanyahu é “fraco” e “medroso”, como “incompetente”. Em 27 de Dezembro de 2008, diz Barak, “quando eu era ministro da Defesa, matei mais de 300 membros do Hamas em três minutos e meio”, gaba-se. Especificação necessária: não eram membros do Hamas ou do seu braço armado, mas sim civis de Gaza, muitas mulheres, muitas crianças e alguns jovens da então recém-criada polícia cívica da região. Em suma, Barak ufana-se, Barak mente, Barak também reescreve a História. Por outro lado, é da oposição ao governo, comportando-se como ele, se possível criticando o comportamento do actual primeiro-ministro numa posição ainda mais extrema em relação à vocação para exterminar o inimigo.
Netanyahu deixou anteriormente no ar a possibilidade de assumir um comportamento definitivo e exterminador em relação ao povo palestiniano, para já em Gaza, onde diz que “não existe solução diplomática”.
Outros, de Lieberman à oposição praticada por Ehud Barak, acusam-no de ser “frouxo”, “complacente”, certamente por não ter passado imediatamente das palavras aos actos depois de chegar ao impasse “diplomático”. De facto, há muita gente cada vez mais apressada quanto à solução final capaz de trazer “a paz a Israel”. Por exemplo, o deputado Naftali Bennet, considerado “mais extremista” que Lieberman, explicou a Netanyahu que ou “o aceita como ministro da Defesa ou a coligação governamental cairá”. Ou ainda a ministra da Justiça, Ayelet Shaked, para quem o chamado “Acordo do Século”, através do qual Trump e Netanyahu pretendem impor “a paz aos palestinianos”, é “uma perda de tempo”. “Também eu quero a paz”, acrescenta, “mas não acredito que seja possível qualquer acordo”. Logo…
Neste contexto não surpreende que o Parlamento tenha aprovado uma lei que facilita a aplicação da pena de morte aos palestinianos que sejam acusados “de terrorismo”, expressão que Israel aplica a todos os que resistem à expansão brutal do seu domínio sobre a Palestina. Uma lei que se segue à aprovação da “Lei do Estado Nação”, que institui o regime de apartheid a todos os que não sejam considerados “judeus” e escancara as portas da Palestina a quantos, vivendo em qualquer lugar do mundo, com a nacionalidade que tiveram, sejam considerados “judeus”.
Compreende-se, deste modo, por que o primeiro-ministro de Israel ilibou Hitler da responsabilidade maior pelo Holocausto. A culpa foi dos árabes; o nazismo não foi mau, maus foram e são os árabes; é aos árabes que deve cobrar-se a factura.
Tudo isto é Israel, hoje.



Mais notícias...

Iniciar sessão

Recuperar password

goto top