O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

A GRANDE ILUSÃO DA ECONOMIA “VERDE”

Sucedem-se as cimeiras climáticas, multiplicam-se as promessas para atingir metas de curto, médio e longo prazo, transformaram-se as questões ambientais em artigos da moda política e mediática e o aquecimento global continua a sua ascensão sem retorno. No centro de toda a novíssima inquietação ecológica estão as elites políticas, governamentais e, sobretudo, empresariais que colocaram o mundo no caminho da catástrofe. Isto é, os que estragam o planeta são os mesmos que cuidam agora de consertá-lo com base em enxurradas de promessas, mas sem mudar de atitudes e comportamentos. Ou seja, a tão propagandeada “economia verde” não passa de uma grande ilusão, melhor dizendo, uma imensa fraude.

NATO: DIVISÃO NAS PALAVRAS, UNIÃO NA GUERRA

Continuamos a publicar opiniões e reflexões sobre a Cimeira da NATO efectuada em Londres. O geopolitólogo italiano Manlio Dinucci reconhece que a reunião manifestou fracturas internas. Porém, em seu entender, essas divisões são secundárias perante os interesses comuns aos mais poderosos entre os aliados, que são reais, profundos e servem de suporte ao regime neoliberal e respectivo complexo militar e industrial implantado nas duas margens do Atlântico.

A GUERRA SECRETA EM ÁFRICA

A corrida aos recursos naturais em África é cada vez mais intensa e implica choques de interesses entre quem os dava como adquiridos por uma espécie de usucapião colonial e potências emergentes que se limitam a seguir as normas concorrenciais estipuladas pela doutrina do “mercado livre”. Considerando-se senhores do território africano, Estados Unidos e NATO reforçam uma presença militar que não hesita em estender-se sob outras bandeiras, como as da ONU e da União Europeia. Trata-se, no fundo, de pugnar por interesses geopolíticos e geoeconómicos com uma poderosa vertente corporativa; do outro lado, Rússia e China marcam posições, com base em crescentes interesses empresariais, incomodando os que se pretendiam “donos daquilo tudo”. É a guerra secreta que progride em África, limitando o direito dos africanos a usufruírem das suas riquezas.

O IMPEACHMENT DE UM REGIME

O mundo está suspenso do impeachment. Parece não se passar nada mais relevante à face da Terra do que saber se o fascista Trump, presidente dos Estados Unidos da América, será substituído pelo fascista Pence até ao começo de 2021, altura em que entrará em funções a nova escolha do establishment que gere o regime norte-americano – sem qualquer dúvida alguém do partido único com duas faces. Para tudo continuar na mesma.

GUERRAS DO LÍTIO MOVEM A GEOPOLÍTICA

Golpe de Estado na Bolívia, manobras políticas no Chile que contrariam os objectivos das manifestações populares, intriga política imperial na Austrália, guerras comerciais. Trata-se de acontecimentos que, normalmente, são lidos de forma autónoma com base em incidências locais ou regionais. Porém, não podem ser convenientemente interpretados se não forem observados à luz de manobras geopolíticas de carácter global relacionadas com um novo combustível estratégico, capaz de rivalizar em importância com o petróleo: o lítio. Sem ele não se fabricam as baterias para a indústria de veículos eléctricos, em explosão, e dos mais correntes gadets, a começar pelos telemóveis.

RÚSSIA E TURQUIA ENTENDEM-SE SOBRE A SÍRIA

O memorando de entendimento russo-turco assinado em 22 de Outubro pelos presidentes Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan é um documento essencial para compreender a fase actual da guerra internacional contra a Síria e as perspectivas de evolução que o problema regista. Esclarecedor, tanto pelo que afirma como pelo que omite, o texto contém em si mesmo alguns importantes mecanismos de travagem dos objectivos pretendidos pela NATO, pelos Estados Unidos e outras potências suas aliadas.

GASODUTO NORD STREAM 2 VAI SER CONCLUÍDO

O gasoduto Nord Stream 2 recebeu finalmente luz verde do governo da Dinamarca, pelo que pode estabelecer-se a ligação do sector final a Lubmin, na Alemanha, concluindo-se o projecto. A decisão do governo dinamarquês foi tomada com pouca vontade, devido às pressões norte-americanas em contrário e apesar de a obra passar por águas onde não suscita quaisquer preocupações ambientais. Ligando a Rússia à Alemanha, o projecto transporta gás natural para a Europa a preços muito mais acessíveis do que todas as opções disponíveis até ao momento, designadamente a importação de gás natural liquefeito (GNL) norte-americano, a mais dispendiosa - mas que é exigida por Washington através da ameaça de sanções.

TRUMP ORGANIZA PILHAGEM DO PETRÓLEO SÍRIO

O secretário norte-americano da Defesa, Mark Esper, afirmou numa conferência de imprensa que, apesar da anunciada retirada militar da Síria, tropas dos Estados Unidos ficarão estacionadas no Leste do país para “proteger” os campos de petróleo. Trump tinha dito:"talvez mais alguém queira este petróleo e, nesse caso, terá de submeter-se a um combate infernal".

LÍBANO: CHAVES DA CRISE E OS SUSPEITOS DO COSTUME

Há mais de uma semana que o Líbano é cenário de gigantescas manifestações de protesto e de motins provocados por grupos isolados que agem sob comando directo. É quase impossível circular, todas as estradas estão cortadas. O movimento estendeu-se rapidamente de Beirute ao resto do país. Presente na capital libanesa, o jornalista Thierry Meyssan apurou que não se trata de movimentações desencadeadas de forma espontânea. Considera que o grupo iniciador dos motins não aceita, de maneira nenhuma, a mudança do paradigma existente – tutelado por potências coloniais ocidentais, Israel e a Arábia Saudita. Quanto aos cidadãos libaneses propriamente ditos, tentam revoltar-se contra um sistema constitucional confessional que degradou a sociedade, alimenta crises sucessivas e de que estão prisioneiros.

A MÃO COLONIAL NOS DISTÚRBIOS IRAQUIANOS

As reivindicações dos manifestantes que tomam as ruas de Bagdade e outras cidades iraquianas são justíssimas num país deixado no caos económico pelos invasores e ocupantes. Já os interesses que os manipulam e os incitam à violência e à desestabilização total são os mesmos que querem montar uma espécie de “Primavera árabe”, desta feita para transformar o Iraque em mais uma frente da guerra dos Estados Unidos contra o Irão.

RAZÕES DO CARINHO EUROPEU PELO TERRORISMO SAUDITA

Londres, Paris e Berlim não têm dúvidas: foi o Irão quem atacou a Arábia Saudita em meados de Setembro. O milionário negócio de armas com Riade garante tanta certeza num cenário de confusão

NASCEU O NEOLIBERALISMO CLIMÁTICO

Salvar o planeta! Ora aí está uma causa nobre, por certo não fracturante, à medida do mainstream, padronizada segundo as normas da opinião única, enfim polémica quanto baste porque os seus opositores são encabeçados por figuras que estão de passagem, como Donald Trump, por certo uma excepção na tão recomendável classe bipartidária e monolítica dos Estados Unidos da América. Atentemos nos casos de Obama, de Hillary Clinton, consabidamente tão amigos do planeta e do ambiente.

Iniciar sessão

Recuperar password

goto top