O LADO OCULTO - Jornal Digital de Informação Internacional | Director: José Goulão

O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

Assinar

O CIDADÃO, A ESTATÍSTICA E A ASTRAZENECA

A confusão instalou-se. E os responsáveis, em vez de inocularem um pouco de lucidez para travarem uma inquietação cada dia mais desgovernada, fogem para a frente amparando-se em dogmas que, por muito correctos que sejam em termos estatísticos, permitem que a vida humana seja jogada em caprichos de roleta. As coisas estão, de facto, a correr mal com a vacina da AstraZeneca contra a Covid-19. Escondê-lo atrás da certeza fundamentalista de que o medicamento é “seguro e eficaz” e persistir na vacinação como se nada estivesse a acontecer é uma estratégia que cumpre efectivamente o preceito tecnocrático segundo o qual uma pessoa é apenas um número; mas atenta contra os direitos humanos.

BRUXELAS SACRIFICA SAÚDE PÚBLICA À GUERRA FRIA

O Departamento (Ministério) da Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos confirmou publicamente que realiza acções diplomáticas para dissuadir países de recorrerem a medicamentos produzidos por “Estados mal-intencionados” como a Rússia e a China. Um dos exemplos citados a propósito foi a intervenção para “persuadir o Brasil a rejeitar a vacina russa contra a Covid-19”. Não explicando tudo, um episódio como este ajuda-nos a entender as histórias mal contadas que envolvem os processos de vacinação às escalas nacionais, regionais e global – e que estão a custar vidas humanas, pelas quais ninguém será, obviamente, responsabilizado.

A CONFISSÃO ASSUSTADORA DO PRIMEIRO-MINISTRO

O primeiro-ministro da República Portuguesa confessou numa declaração transmitida no dia 12 deste mês em jornais televisivos que o processo de vacinação contra a Covid-19 “está fora do nosso controlo”. Alvo de uma barragem de ataques, quantos deles despropositados e oportunistas, não consta, ao invés, que António Costa tenha sido sequer admoestado por admitir a mais grave situação que poderia existir em pleno combate à pandemia. Em causa está a saúde pública e também a própria essência do funcionamento do país como nação independente.

“SALVAÇÃO NACIONAL” À ITALIANA

O laboratório político italiano, vocacionado como poucos para impôr fórmulas que mascaram a democracia em nome da democracia, ao serviço das elites económicas e financeiras nacionais e transnacionais, acaba de “solucionar” a crise política no país com mais um “governo de tecnocratas”. Desta feita, o duce é Mario Draghi, ex-presidente do Banco Central Europeu e um conhecido agente do Goldman Sachs, o banco norte-americano que, segundo o seu presidente, desempenha “o papel de Deus na Terra”.

A SAÚDE PÚBLICA À MERCÊ DOS NEGÓCIOS E DA CEGUEIRA GEOPOLÍTICA

A saga das vacinas em Portugal está distorcida. Centra-se na condenável batota para adulteração das listas de prioridades da vacinação que, apesar da sua gravidade, funciona como cortina de fumo para esconder aspectos muito mais inquietantes do processo, o principal dos quais é a submissão do governo e a abdicação da vontade própria perante a inconcebível e corrupta estratégia de selecção, compra e distribuição conduzida pela Comissão Europeia. Uma estratégia que se guia sobretudo pelo lucro e pela secundarização da saúde pública, desvalorizando e silenciando eventuais riscos associados.

NATO VAI CRIAR UM BANCO PARA A GUERRA

Se algum país da NATO, Portugal, por exemplo, tiver dificuldades em cumprir as despesas militares exigidas pela aliança isso vai deixar de ser um problema: a NATO está em vias de criar o seu próprio banco. Deste modo, se não houver dinheiro nos cofres de um Estado membro para se equipar com os apetrechos de guerra impostos pela Aliança Atlântica, o Banco da Aliança Atlântica financiará essas compras e depois os cidadãos desse país farão os respectivos reembolsos de mais essa dívida externa e com os juros que o próprio banco definirá. A ideia partiu de Washington, precisamente dos bastidores da administração Biden, porque “as despesas da aliança têm de ser partilhadas”. Desde logo, e certamente, em tempos de economias esfaceladas pela pandemia.

O SAHARA OCIDENTAL, MAIS UMA GRANDE FARSA EUROPEIA

Uma das últimas malfeitorias de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos, assumida já depois de ter perdido as eleições, foi mais uma atrocidade contra o direito internacional: o reconhecimento “da soberania marroquina sobre a totalidade do território do Sahara Ocidental”. Significativamente, a decisão passou quase despercebida; não consta que o secretário-geral da ONU, a União Europeia ou o ministro português dos Negócios Estrangeiros tenham manifestado publicamente qualquer reserva em relação a tão flagrante ilegalidade.

HÁ 30 ANOS, A “MÃE DE TODAS AS GUERRAS” SEM FIM

Passam exactamente 30 anos sobre o momento em que os Estados Unidos e os seus velhos e novos aliados – nascidos estes no espaço de influência da União Soviética então em desagregação – lançaram a operação “Tempestade no Deserto” contra o Iraque de Saddam Hussein. Também foi chamada “a mãe de todas as guerras”, sabe-se hoje que com inteira razão pois ela gerou uma sucessão de guerras sem fim cujos efeitos moldam a actual estratégia imperial: Jugoslávia, Afeganistão, novamente Iraque, Líbia, Síria, a que devem somar-se os conflitos não directamente assumidos contra o Irão e o Líbano. A agressão marcou o regresso das forças armadas portugueses a intervenções de carácter colonial, que se multiplicaram até hoje - acções violadoras da Constituição que escapam à fiscalização constitucional. E pôs em evidência que a guerra se transformou no praticamente único recurso das forças dominantes à escala mundial.

PRESIDENCIAIS E SOBERANIA NACIONAL

Empestadas pelo lixo mediático atulhado de superficialidades, ausência de ideias e pela irresponsável tentação de branqueamento do fascismo, as eleições presidenciais em Portugal estão praticamente vazias de temas nobres e essenciais que deveriam estar no centro de cada consulta eleitoral como é, entre outros, o caso da soberania nacional.

NATO E UNIÃO EUROPEIA POUPAM O NAZISMO NA ONU

É um assunto de extrema gravidade: com a mais absoluta discrição, os Estados membros da NATO e da União Europeia, o que naturalmente inclui Portugal, abstiveram-se nas Nações Unidas sobre o nazismo; uma vergonhosa confissão, enquanto a própria União Europeia vive dificuldades no seu funcionamento devido às emanações fascistas na Polónia, na Hungria e nos Estados bálticos, tratadas, com muito pudor, como “populistas”, “nacionalistas” ou “iliberais”. Na verdade, desde a Segunda Guerra Mundial, a CIA e depois a NATO reciclaram numerosos criminosos um pouco por todo o mundo, ultimamente nos países bálticos e na Ucrânia. Estes veiculam abertamente uma ideologia racial que, aliás, nunca abandonaram.

HERDEIROS DA GLADIO/NATO ANDAM À SOLTA NA EUROPA

A imprensa dinamarquesa tem dado destaque às provas de que o Estado dinamarquês autoriza a espionagem da sua própria administração pública e das empresas privadas do sector militar pelos Estados Unidos da América. O fenómeno não é recente e tem a sua origem nas redes clandestinas (Stay behind, Gladio) instauradas pela NATO nos países da aliança.

FRONTEX, UMA POLÍCIA DE UM REGIME AUTORITÁRIO

O Frontex, a polícia fronteiriça da União Europeia e do Espaço Schengen, está na linha da frente ao serviço das conveniências xenófobas dos 27, não hesitando para isso em violar as convenções internacionais marítimas e recorrendo até a requintados métodos de tortura contra refugiados. A própria República Portuguesa não está isenta de responsabilidades nestas práticas: para que conste, embarcações da Polícia Marítima foram identificadas em investigações relacionadas com a perseguição a refugiados, designadamente no Mar Egeu.

ASSINANTES SOLIDÁRIOS

O reforço da Informação Independente como antídoto para a propaganda global.
Bastam 50 cêntimos, o preço de um café, 1 euro, 5 euros, 10 euros…

saber mais
RENOVAÇÃO DE ASSINATURAS

Estimado Assinante,

Se a sua assinatura está prestes a expirar e desejar renová-la deverá proceder como anteriormente: escolher a periodicidade e a forma de pagamento.
Pode igualmente aderir à nossa acção de "assinatura solidária", contribuindo assim para reforço dos conteúdos de O Lado Oculto e assegurando a sua continuidade.

Grato pelo seu apoio
O Colectivo Redactorial

fechar
goto top