O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

GRÉCIA: O SUICÍDIO OU O ASSASSÍNIO DE UM PAÍS

Analistas ditos de esquerda, de direita ou do centro estão de acordo sobre a miséria que devasta a Grécia. E com razão. Porque a esmagadora maioria do povo grego vive com dificuldades económicas profundas. O desemprego está oficialmente em 18%, mas a sua taxa real é da ordem dos 25% a 30%. As pensões sociais foram reduzidas dez vezes desde que o partido Syriza – que se define como sendo de “esquerda” – assumiu o poder em 2015 e carregou o país ainda com mais dívida e mais austeridade. Em termos de serviços públicos, os que tinham algum valor foram privatizados e vendidos a empresas ou oligarcas estrangeiros. Hospitais, escolas, transportes públicos – e até algumas praias – foram objecto de privatizações, tornando-se inacessíveis a pessoas comuns.

“UM OUTRO DIA DE VIDA” HONRA O JORNALISMO LIVRE

Um filme baseado nas memórias do jornalista polaco Ryszard Kapuscinski sobre a guerra de Angola venceu o festival de São Paulo e honra o jornalismo livre

ESTAGNAÇÃO OU RECESSÃO: UMA EUROPA SOMBRIA EM 2019/2020

As perspectivas económicas europeias traçadas pela FocusEconomics, uma das empresas líderes de previsões macroeconómicas na Europa, apontam para um ano de 2019 de estagnação. E os horizontes para 2020 não são melhores, além de dependerem de muitos "ses". Se alguma coisa correr mal em termos de Brexit, guerra comercial de Trump contra a China ou ameaças contra o Irão, a recessão será inevitável.

O RACISMO E OS PROGRAMAS ELEITORAIS

Uma leitura interpretada de programas eleitorais. Uma opinião para um debate de problemas enraizados nas nossas sociedades, como o racismo.

URSULA VON DER LEYEN CONFIRMADA POR UM TRIZ

Salvou-se por nove votos. A ministra da Defesa da Alemanha, Ursula von der Leyen, tornou-se presidente da Comissão Europeia mas os membros do Parlamento Europeu limitaram-se a confirmar por nove votos a escolha feita antecipadamente pelos eurocratas da União. Na realidade, o bloco federalista estilhaçou-se e garantiu à direitista alemã apenas 383 votos dos 747 membros em exercício do Parlamento, o que significa a deserção de 86 membros da maioria institucional que a designou: extrema-direita dos Conservadores e Reformistas (ECR), direita e extrema-direita do Partido Popular Europeu (PPE), neoliberais assumidos (Europa Renovada) e Socialistas & Democratas.

EM PORTUGAL HÁ INCENTIVOS À CORRUPÇÃO

Na recente reunião do G20 a corrupção foi um dos temas em debate. Um debate que deveria estender-se frontalmente a Portugal de forma a combater esse mal endémico e tão incentivado.

ISDS, OU OS ESTADOS E OS POVOS NAS GARRAS DAS MULTINACIONAIS

O ISDS é um mecanismo de justiça privada agregado ao comércio internacional e que deixa os Estados e os povos submetidos às garras das multinacionais. Coisas do globalismo neoliberal.

O CENSO VICIADO EM PORTUGAL

O censo de 2021 em Portugal pode estar viciado à partida porque, contrariando um Grupo de Trabalho formado para o efeito, não tenciona apurar dados étnico-raciais

GUERRA CONTRA A CHINA TEM DIMENSÃO MUNDIAL

A guerra comercial lançada pela admistração Trump para tentar evitar que a China se torne a primeira economia do mundo ameaça lançar o caos na economia mundial.

QUOTAS E MERITOCRACIA

Nas eleições para o Parlamento, 45% dos eleitos em Portugal são mulheres. Tal avanço deve-se à Lei das Quotas, pelo que a universalização da representatividade política exige acção, não passividade e uma "meritocracia" distorcida.

UNIÃO DESUNIDA E ALHEADA

O instantâneo da União Europeia obtido pelas eleições para o Parlamento Europeu é o de uma entidade cada vez mais desunida e desafinada, incapaz de cativar metade dos eleitores, chocando o ovo da serpente nazifascista e onde os fundamentos do próprio poder, tal como tem existido, estão a ser seriamente corroídos. Uma caricatura de democracia.

PORTUGAL PARTICIPA NO CONFISCO DE BENS À VENEZUELA

Participação na extorsão, pelo Banco de Inglaterra, de 1359 milhões de dólares de ouro ao Estado venezuelano; confisco de 1543 milhões de euros pelo Novo Banco. Pelo menos três mil milhões de euros é o montante da delapidação de bens do povo venezuelano em que o governo de Portugal está envolvido, directa e indirectamente. Dinheiro que Caracas não pode usar para comprar medicamentos e outros bens de primeira necessidade e que é parte de uma guerra sem tropas, mas letal, conduzida pelos Estados Unidos. Os portugueses têm o direito de conhecer a realidade desta cumplicidade, mas o governo ainda tenta disfarçar, com o silêncio, que está ao lado da administração fascista norte-americana nesta atrocidade contra a democracia, os direitos humanos e a soberania dos povos

Iniciar sessão

Recuperar password

goto top