O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

CONSELHO EUROPEU CONSTRUÍDO COM TRABALHO ILEGAL

Quando o exemplo vem do topo da pirâmide não é de admirar que o trabalho escravo prolifere no espaço da União Europeia: o chamado “Edifício Europa”, obra imponente de Bruxelas onde se reúnem os chefes de Estado e de governo dos países membros – o Conselho Europeu – foi construído, em parte, por operários sem contratos laborais e privados de salários durante meses a fio.

PARLAMENTO EUROPEU SEQUESTRA DADOS DOS VISITANTES

Quando estão em jogo a protecção da privacidade dos cidadãos e a preservação dos seus dados pessoais por instituições da União Europeia o melhor é recorrer à velha máxima “faz o que elas dizem, não faças o que elas fazem”. Um inocente visitante do Parlamento Europeu que caia na asneira de recorrer ao wi-fi da instituição em Bruxelas terá as suas informações de Internet sequestradas secretamente por seis meses ou mesmo partilhadas com interesses privados nada recomendáveis.

UMA PRESIDENTE DO BCE COM CADASTRO MANCHADO

Christine Lagarde, directora administrativa cessante do Fundo Monetário Internacional (FMI), é a nova presidente do Banco Central Europeu (BCE). O presidente francês, Emmanuel Macron, agindo em nome de poderosos interesses bancários, foi fundamental para a sua indicação. Muito elogiada pela comunicação social dominante, Lagarde é igualmente a favorita de Wall Street e da Reserva Federal (banco central) dos Estados Unidos. A imprensa omite, porém, que Lagarde é uma funcionária corrupta envolvida em fraude financeira. A presidente do BCE tem antecedentes criminais.

EXTREMA-DIREITA MARCA PONTOS EM BRUXELAS

O recente encontro entre a presidente indigitada da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o primeiro-ministro húngaro, o neofascista Viktor Orban, revelou uma significativa identidade de pontos de vista em assuntos como a política de migração, a política de defesa e segurança e a indústria militar. “Concordámos com a necessidade de um novo começo e soluções pragmáticas sobre migração”, disse von der Leyen. Em questões de migração, a nova presidente da Comissão “é capaz de pensar com a cabeça dos europeus da Europa Central”, comentou Orban.

DUAS MULHERES, MUITA MISTIFICAÇÃO

Duas mulheres foram escolhidas para cargos de grande destaque no gigantesco aparelho burocrático neoliberal que é a União Europeia. Ao cabo de um opaco processo de tráfico de influências, a alemã Ursula von der Leyen emergiu como escolha final para a presidência da Comissão Europeia; e a directora-geral do FMI, Christine Lagarde, foi designada presidente do Banco Central Europeu. Duas mulheres politicamente de extrema-direita deixando atrás de si, em lugares que ocuparam recentemente, rastos de incompetência, clientelismo e corrupção. Tais nomeações, contudo, foram enaltecidas como grandes passos para a igualdade de género. Uma mistificação no meio da nuvem cerrada de mistificações em que se move a União Europeia.

URSULA VON DER LEYEN CONFIRMADA POR UM TRIZ

Salvou-se por nove votos. A ministra da Defesa da Alemanha, Ursula von der Leyen, tornou-se presidente da Comissão Europeia mas os membros do Parlamento Europeu limitaram-se a confirmar por nove votos a escolha feita antecipadamente pelos eurocratas da União. Na realidade, o bloco federalista estilhaçou-se e garantiu à direitista alemã apenas 383 votos dos 747 membros em exercício do Parlamento, o que significa a deserção de 86 membros da maioria institucional que a designou: extrema-direita dos Conservadores e Reformistas (ECR), direita e extrema-direita do Partido Popular Europeu (PPE), neoliberais assumidos (Europa Renovada) e Socialistas & Democratas.

CHEFES DA UNIÃO EUROPEIA ESCOLHEM-SE À SOBREMESA

Seis dirigentes de países europeus representando os três maiores blocos políticos actualmente existentes no Parlamento Europeu, entre eles António Costa, reúnem-se esta sexta-feira ao jantar em Bruxelas para prosseguirem o grande negócio de atribuição dos lugares de chefia das mais importantes instituições da União Europeia.

ESTÃO ABERTAS AS HOSTILIDADES EM BRUXELAS

Os votos das eleições europeias ainda mal foram contados mas em Bruxelas e outras capitais, como Paris e Berlim, já estão abertas as hostilidades para o grande leilão dos cargos superiores da União Europeia a renovar no próximo Outono, entre eles o de presidente da Comissão. O famoso “eixo franco-germânico” quebrou-se: Merkel e Macron, à partida, apoiam candidatos diferentes para suceder a Jean-Claude Juncker.

UNIÃO DESUNIDA E ALHEADA

O instantâneo da União Europeia obtido pelas eleições para o Parlamento Europeu é o de uma entidade cada vez mais desunida e desafinada, incapaz de cativar metade dos eleitores, chocando o ovo da serpente nazifascista e onde os fundamentos do próprio poder, tal como tem existido, estão a ser seriamente corroídos. Uma caricatura de democracia.

TRÁFICO DE INFLUÊNCIAS À SOLTA NA UNIÃO EUROPEIA

Comissão, Conselho e Parlamento Europeu falharam acordo sobre a transparência da actividade dos lobbies. O tráfico de influências continua à solta na União Europeia

BREXIT SERVIDO COM TROPA?

A NATO marcou manobras na Grã-Bretanha num período que coincide com as datas originais do Brexit, sendo que o governo de May prepara a lei marcial no Reino Unido contra a "desobediência civil". Brexit ou "juízo final"? Tropa contra vontade popular?

MACRON, OU O GLOBALISMO FARDADO

Ao enviar tropas para a rua reprimir manifestações, autorizando o uso de munições reais, Macron revelou até onde pode chegar o globalismo neoliberal que guia a União Europeia

Iniciar sessão

Recuperar password

goto top