O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

O MUNDO EM REALIDADE PARALELA

A elite governante mundial, em aliança com o aparelho comunicacional global que trata da sua propaganda, querem forçar-nos a viver numa realidade paralela, aquela em que a versão ficcional e oficial dos factos se transforma em verdade única, indiscutível, sendo a discordância anatemizada como fake news.

VITÓRIA DE MADURO, DESCALABRO DE TRUMP

A reunião do Grupo de Lima - uma emanação de Washington - realizada na segunda-feira traduziu um recuo dos conspiradores na estratégia de invasão da Venezuela. O vice-presidente de Trump, intérprete principal da conspiração, saiu de Bogotá com as mãos a abanar depois de os seus principais subordinados alegarem que não era a melhor altura de avançar para a incursão armada. A derrota que sofreram no golpe da "ajuda humanitária, no sábado, dia 23, deixou as suas marcas.

PROVOCAÇÃO FASCISTA FRACASSOU NA VENEZUELA

A provocação fascista contra as instituições democráticas venezuelanas montada para o passado sábado, 23 de Fevereiro, na fronteira entre a Colômbia e a Venezuela, fracassou. Levada até às últimas consequências, tinha como objectivo desencadear uma agressão estrangeira contra a Venezuela. Sobrou um pretexto impossível de demonstrar – que a Guarda Nacional Bolivariana teria incendiado camiões com a famosa “ajuda” norte-americana – mas que os golpistas tentarão agora explorar “multilateralmente”.

AGRESSÃO À VENEZUELA: UM ROTEIRO COM TRÊS ANOS

O almirante Kurt W. Tidd, chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, recomendou há três anos o seguinte para a Venezuela: "é preciso explorar ao máximo do ponto de vista político, reforçando a matriz mediática, a escassez de água, alimentos, medicamentos e de electricidade”, “ligando a crise à responsabilidade exclusiva de Maduro”; e “pedindo à comunidade internacional uma intervenção humanitária para manter a paz e salvar vidas”. Qualquer semelhança com a realidade não é pura coincidência.

UNIÃO EUROPEIA AO LADO DE TRUMP CONTRA A VENEZUELA

A União Europeia, com o governo português na linha da frente, colocou-se ao lado de Trump no golpe contra a Venezuela. Ao lado… para já não; os dirigentes europeus deram uma semana ao presidente legítimo, Nicolás Maduro, para convocar eleições - que aliás foram realizadas há oito meses; caso contrário reconhecem o mesmo "presidente interino" que os Estados Unidos indicaram. Um disfarce de uma semana para tentar manter aparências é uma atitude caricata que deixa a União a um nível rasteiro de subserviência a Trump. Sob ultimatos sucessivos e intervenção militar em preparação, no horizonte da Venezuela e dos povos da América Latina levantam-se terríveis ameaças contra milhões de pessoas, entre as quais a comunidade portuguesa - vítima da armadilha que lhes foi montada com a ajuda de quem manda em Lisboa.

OEA NÃO APOIA GOLPE NA VENEZUELA

O golpe na Venezuela teve o seu primeiro grande tropeção diplomático: não existiu a maioria necessária entre os 34 membros da OEA para apoiar a proclamação de Juan Guaidó como "presidente interino" da Venezuela. Apesar das pressões de Trump, feitas directamente pelo ex-patrão da CIA, Michael Pompeo, os 16 Estados apoiantes do golpe não chegaram sequer para formar metade da Organização dos Estados Americanos, quanto mais os 23 necessários regimentalmente. Entre os grandes derrotados estão, além de Pompeo, Luís Almagro, o próprio secretário-geral da OEA, e os chefes dos regimes da Argentina e do Brasil. Fora da OEA, o ministro português dos Negócios Estrangeiros assumiu uma benigna posição favorável ao golpe, contra os interesses da comunidade portuguesa na Venezuela.

OS JOGOS DE GUERRA DO “PESADELO ALMAGRO”

A coligação de governo no Uruguai expulsou Luis Almagro, secretário-geral da OEA, por defender a invasão da Venezuela

Iniciar sessão

Recuperar password

goto top