O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

RESPOSTA DO HEZBOLLAH FAZ RECUAR ISRAEL

O secretário-geral do Hezbollah prometeu e cumpriu: uma semana depois de Israel ter morto dois técnicos do grupo num ataque contra a Síria e de ter atacado os arredores de Beirute chegou a anunciada represália. Os mísseis disparados pela organização de resistência libanesa não se limitaram a liquidar o alvo e a obrigar o exército de Israel a recuar e a abandonar uma base militar no norte do país; puseram termo a uma escalada de violência ao nível de 2006 e demonstraram uma nova capacidade do movimento libanês para por Israel em respeito e atingir qualquer região deste país. A notícia não correu mundo, mas a relação de forças está diferente: o potencial balístico do Hezbollah revela um caminho para a paridade táctica com o Estado sionista.

TRÊS FUNDAMENTALISMOS MODELAM O MÉDIO ORIENTE

Três fundamentalismos político-religiosos continuam a modelar um novo Médio Oriente, perante a complacência do mundo, a inércia da ONU e a cumplicidade activa da União Europeia. A partir do eixo Washington-Telavive-Riade, os fundamentalismos cristão anglo-saxónico, sionista e islâmico tratam de eliminar os obstáculos à sua afirmação plena na região, seja na Síria, no Iraque, na Palestina. Percebendo-se assim por que o Irão está debaixo de fogo.

LUZ VERDE DE WASHINGTON À ANEXAÇÃO DA CISJORDÂNIA

Através do seu embaixador em Israel, os Estados Unidos deram luz verde à anexação da Cisjordânia. Foi numa entrevista, mas um embaixador não fala a título pessoal.

“GAZA JÁ ESCOLHEU: CONTINUAR A RESISTIR”

Os últimos bombardeamentos israelitas contra Gaza foram uma advertência à "calma" para o festival da Eurovisão. Israel teme que os oprimidos lhe estraguem a encenação

WASHINGTON FABRICA PRETEXTO PARA ATACAR O IRÃO

Os Estados Unidos colocaram o porta-aviões Abraham Lincoln e o respectivo grupo de combate na área de intervenção do Médio Oriente. John Bolton, o fascista que chefia o Conselho Nacional de Segurança, explicou esse movimento de uma forma suficientemente vaga para nela caber um pretexto, por mais absurdo que seja, para atacar militarmente o Irão. Em causa estão, para Bolton, actos atribuíveis não apenas a tropas regulares do Irão, à Guarda Revolucionária ou ainda a qualquer milícia xiita do Líbano ao Iémen. A equipa de sociopatas da administração Trump está cada vez mais à solta e sem limites.

COMISSÃO DA ONU ACUSA ISRAEL DE CRIMES DE GUERRA

Actos cometidos por forças israelitas na repressão de manifestações palestinianas podem ser "crimes de guerra" ou "crimes contra a humanidade", conclui uma comissão da ONU

ISRAEL USA PALESTINIANOS COMO COBAIAS

"Os espaços palestinianos funcionam como laboratórios" para farmacêuticas e fabricantes de armamento, denuncia a professora israelita Nadera Shalhoub-Kevorkian

ISRAEL VEDA GAZA COM UM MURO DE 65 KM

Israel completa a transformação de Gaza num campo de concentração vedando o território com um muro de 65 quilómetros e seis metros de altura.

ISRAEL, ORDEM PARA MATAR

Os bombardeamentos israelitas contra a Síria não visam alvos iranianos, como afirma a propaganda; são parte da preparação para uma guerra de grande envergadura abrangendo também o Irão

GAZA, SOLUÇÃO FINAL

Em Gaza há um povo em agonia que resiste ainda à selvajaria sionista, que avança rumo ao extermínio, à solução final. É isso que se percebe nas palavras de Benjamin Netanyahu proferidas em Paris na designada "Cimeira da Paz": "não há solução diplomática para Gaza". Perante um mundo mudo e quedo, o retinto fascismo sionista exige agora, através de uma "crise governamental", que o primeiro ministro vá até ao fim sem mais delongas. E o mundo continua a assistir, imóvel como um penedo.

GAZA, O LABORATÓRIO DA INDÚSTRIA DA MORTE

"Apuramos os nossos sistemas em tempo real", ou como os fabricantes de armas olham para Gaza

Iniciar sessão

Recuperar password

goto top