O LADO OCULTO - Jornal Digital de Informação Internacional | Director: José Goulão

O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

Assinar

OPERAÇÃO CONDOR, PARTE II

A eleição de Jair Bolsonaro como presidente do Brasil traz a peça que faltava no puzzle da nova geração Condor, isto é, os herdeiros das ditaduras militares dos anos 70/80 do século passado que, sob a batuta da CIA, geraram as primeiras experiências do neoliberalismo ortodoxo, puro e duro. Cerca de 50 mil mortos, 30 mil desaparecidos, 400 mil presos políticos provocou a primeira Operação Condor orquestrada pela CIA. Sob métodos diferentes, mas com os mesmos objectivos e maestros, a Operação Condor, Parte II procura a sobrevivência do neoliberalismo sem contemplações com a democracia, agora que a crise se arrasta e exige uma espécie de regresso às origens.

O NEOLIBERALISMO ESTÁ DE REGRESSO ÀS ORIGENS

O neoliberalismo global, em luta pela sobrevivência, entrou decididamente na fase do recurso a regimes autoritários aparentados com o fascismo. A democracia formal, mesmo expurgada do respeito pela vontade dos cidadãos, deixou de ser suficiente para alimentar a ganância insaciável do capitalismo selvagem na crise agónica em que se encontra. Nas Américas, pela mão experimentada dos Estados Unidos e na Europa, graças aos potentes incentivos da União Europeia, o neoliberalismo regressa ao sistema político próprio da sua natureza, onde incubou no Chile de Pinochet em 1973.

O BRASIL, AS NARRATIVAS “FAKE” E A ORDEM NEOLIBERAL

Nestas eleições, o Brasil tem sido um laboratório da estratégia global de "fake news". O seu efeito, porém, é potenciado por "narrativas fake" há muito instaladas.

ARGENTINA: "MACRI É FOME, SUOR E SANGUE"

Os problemas na Argentina são mais um sinal de que a crise económica decorrente do neoliberalismo está a avolumar-se

#EleNão: MULHERES BRASILEIRAS NAS RUAS CONTRA BOLSONARO

As mulheres brasileiras encabeçam um imenso movimento de repúdio pelo candidato fascista Jair Bolsonaro às eleições do próximo domingo

AS ELITES CAPITALISTAS ENGENDRAM O FASCISMO NO MUNDO

As elites capitalistas abrem cada vez mais o caminho dos fascismos através do neoliberalismo. No Brasil, o golpe de Temer trouxe à superfície a ameaça Bolsonaro

PINOCHET CONTINUA A MATAR E O MÉTODO TORNOU-SE GLOBAL

A aplicação pura e dura do neoliberalismo estreou-se em 1973 sob a ditadura terrorista de Pinochet no Chile. A receita económica tornou-se global e continua a matar, por exemplo através da privatização da segurança social

ARGENTINA DEBATE-SE NA SELVA DE MACRI

A Argentina caminha para a bancarrota empurrada pelo neoliberalismo selvagem do presidente Macri sob as ordens do FMI e de Trump. Os argentinos respondem com uma greve geral e uma grande manifestação na próxima terça-feira.

A GLOBALIZAÇÃO E AS ESCOLHAS DOS BRASILEIROS

A cerca de duas semanas da ida às urnas, as escolhas dos brasileiros estão cada vez mais definidas: ou o progresso e a independência através da candidatura de esquerda de Fernando Haddad e Manuela D'Ávila; ou a submissão à globalização e ao neoliberalismo selvagem na forma do fascismo de Jaír Bolsonaro.

SUÉCIA VÍTIMA DA PRAGA NEOLIBERAL

O que as eleições gerais suecas de 9 de Setembro disseram, em primeiro lugar, é que não existe Estado social que resista eternamente à implantação do neoliberalismo puro e duro. Tudo o resto decorre daí, e não haverá análise séria sobre os resultados e a situação no país que omita essa realidade fundamental.

BRASIL: UM OLHAR DE HOJE SOBRE 500 ANOS DE HISTÓRIA

A relação do Brasil com a América Latina sempre foi, e continua a ser, alvo de profundas polémicas. Está consolidada a imagem de que o Brasil foi constituído de costas para o Continente, ignorando a África e de frente para os Estados Unidos da América e a Europa.

ESTADOS UNIDOS E TURQUIA ASSUSTAM O GLOBALISMO CAPITALISTA

Não é um arrufo, a zanga é mesmo séria. O facto de Erdogan ser um ditador islamita e Trump um perigoso e tacanho nacionalista não são as causas. É mais uma guerra aberta que mina o globalismo neoliberal nascido dos escombros do muro de Berlim.

fechar
goto top