O LADO OCULTO - Jornal Digital de Informação Internacional | Director: José Goulão

O Lado Oculto é uma publicação livre e independente. As opiniões manifestadas pelos colaboradores não vinculam os membros do Colectivo Redactorial, entidade que define a linha informativa.

Assinar

NASCEU O NEOLIBERALISMO CLIMÁTICO

Salvar o planeta! Ora aí está uma causa nobre, por certo não fracturante, à medida do mainstream, padronizada segundo as normas da opinião única, enfim polémica quanto baste porque os seus opositores são encabeçados por figuras que estão de passagem, como Donald Trump, por certo uma excepção na tão recomendável classe bipartidária e monolítica dos Estados Unidos da América. Atentemos nos casos de Obama, de Hillary Clinton, consabidamente tão amigos do planeta e do ambiente.

UNIÃO EUROPEIA ASSUME-SE COMO CAMPO DE BATALHA

A nova guerra fria começou de vez. Já não se trata de um confronto militar entre os Estados Unidos e a União Soviética, mas entre os Estados Unidos, por um lado, e o bloco Rússia-China, por outro. O abandono, por Washington, do Tratado de Mísseis de Médio Alcance (INF) e o anúncio de próximas conversações a três põe fim aos anos de incerteza que temos vindo a viver. A situação faz regressar a Europa Ocidental e Central ao estatuto da primeira guerra fria: o de um campo de batalha. Com o ámen da União Europeia.

A ARMA DAS SANÇÕES: GUERRA, TORTURA, MORTE LENTA

Depois de se ter retirado unilateralmente do acordo nuclear com o Irão no ano passado, a Casa Branca anunciou em Abril que o seu objectivo é “levar as exportações iranianas a zero”. Para tentar que isso aconteça, Washington deixou de permitir que países como a Índia, a China, o Japão, a Turquia e a Coreia do Sul importem petróleo iraniano: os Estados Unidos ditam a países soberanos com quem podem negociar.

NATO FEZ DA LÍBIA UM NINHO DO TERRORISMO INTERNACIONAL

Depois de a NATO ter "libertado" a Líbia, este país transformou-se na placa giratória do terrorismo na sua versão "jihadista", provocando tragédias em pelo menos 14 nações.

AMNISTIA INTERNACIONAL AFINADA COM O IMPÉRIO

A Amnistia internacional é juiz na Venezuela ouvindo apenas o lado da extrema-direita. Problema: o seu conceito de "direitos humanos" coincide com o dos agressores norte-americanos

O SUJO ENIGMA GEOPOLÍTICO DA TRAGÉDIA DO MH17

Golpe na Ucrânia, administração Obama e oligarcas ucranianos: vértices de um triângulo sujo ligado à tragédia do derrube do MH17 e que o primeiro-ministro da Malásia colocou em escrutínio.

MAURÍCIO MACRI, A FOTO E A ARGENTINA

Numa só fotografia de um acto oficial militar concentra-se a Argentina neoliberal de Maurício Macri, uma corte cheirando a armas, tráfico e sangue que remete para os tempos negros da ditadura 1976/1983

IRÃO MANTÉM-SE DENTRO DO ACORDO NUCLEAR

O Irão respeita o acordo internacional sobre utilização de energia nuclear, de acordo com o último relatório de inspecção da Agência de Energia Atómica

O IMPÉRIO MOVE-SE A PETRÓLEO

Sanções para um lado, golpes de Estado para outro, invasões militares, ameaças, chantagens para outros, os Estados Unidos desdobram-se em actividades que muitas vezes têm em comum um sinal - um rasto de petróleo. O império move-se a hidrocarbonetos no quadro de uma estratégia que é, de facto, elaborada e afinada com o objectivo de controlar globalmente a energia. O petróleo não explica tudo, mas diz muita coisa.

“NITRO ZEUS” E O APAGÃO NA VENEZUELA

Um vírus produzido nos Estados Unidos, com o nome de código "Nitro Zeus" é a arma cibernética usada pela administração para provocar os apagões sucessivos na rede de energia eléctrica da Venezuela

GUERRA DOS EUA “CONTRA O TERRORISMO” TRAVA-SE EM 80 PAÍSES

Sob disfarces vários, mas sob o mesmo pretexto, os Estados Unidos travam a "guerra contra o terrorismo" em 80 países, isto é, 40% das Nações da Terra. Em combate aberto ou sob as capas de "treino" e "assistência", o corpo expedicionário norte-americano é global e imperial, ao mesmo tempo que os efectivos terroristas e o número de organizações terroristas não deixaram de crescer e alastrar desde que o combate foi declarado, a seguir aos mal explicados atentados de 11 de Setembro de 2001. A situação deixa numerosas perguntas no ar, a que os governos, a começar pelo dos Estados Unidos, e as instituições internacionais não estão interessados em responder.

WASHINGTON HUMILHA A UNIÃO EUROPEIA

O episódio, ainda não resolvido, da despromoção da Embaixada da União Europeia em Washington para o estatuto de "organização internacional" é humilhante para Bruxelas

fechar
goto top